Com incentivo e ampliação de estrutura, Paraná avança na eletromobilidade

Incentivos criados pelo governo estadual vão de IPVA zero para os veículos elétricos à implantação de uma das maiores eletrovias brasileiras. Em dois anos, a frota paranaense de veículos eletrificados saltou de 2 mil para mais de 9 mil unidades.



Foto: Copel


Com o incentivo do IPVA zero no Paraná, o primeiro a ser concedido no país, e a expansão da eletromobilidade, o Paraná abriu caminho para a ampliação da frota de veículos elétricos. Hoje, é o terceiro Estado com maior número de veículos eletrificados, o que inclui os elétricos e também os híbridos.

Neste Dia da Eletromobilidade (19/10), lei estadual instituída em 2019, os números paranaenses mostram o crescimento desse mercado. Em dois anos, a frota paranaense deu um salto, passando de pouco mais de 2 mil unidades, em 2020, para 9.121 veículos em setembro de 2022. Os dados são da Secretaria Nacional de Trânsito – Senatran, do Ministério da Infraestrutura. A frota paranaense só fica abaixo da de Minas Gerais, com 9.362, e de São Paulo, com 43.371.

A eletrovia do Estado também é destaque. São 1.246 quilômetros onde o motorista encontra pontos para fazer a recarga do seu veículo. Implantada em 2018, com 730 quilômetros ligando o Porto de Paranaguá às Cataratas do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, ela foi ampliada em mais de 70% neste ano. Ao trajeto original se somaram 384 quilômetros entre Curitiba e Londrina e outros 132 quilômetros, de Curitiba a Joinville, em Santa Catarina.

“Temos, se não a maior, uma das maiores eletrovias do país, para atender a expansão da eletromobilidade, que é uma tendência mundial”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “Atuamos para incentivar o uso de automóveis movidos a energia elétrica, uma solução mais sustentável, que alia eficiência, menor consumo e não é poluente”, acrescenta.


IPVA ZERO – As ações para fomentar esse mercado começaram em 2019, quando o governador Ratinho Junior sancionou a Lei 19.971, que zerou a alíquota do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de veículos elétricos, que equivalia a 3,5% do valor do automóvel. O objetivo é reduzir o preço ao consumidor final e, com isso, incentivar a compra e a produção desse tipo de veículo.


A Copel, por sua vez, ampliou os investimentos em projetos de eletromobilidade, aumentando a cobertura de eletropostos no Estado. Eram 12 postos de recarga rápida, encontrados ao longo da rodovia BR-277, e hoje já estão em funcionamento 23, distribuídos também na BR-376 e na BR-101.

Outras iniciativas incentivam a eletromobilidade. Em Curitiba, por exemplo, desde 2019 carros 100% elétricos são isentos de pagamento do Estacionamento Regulamentado (EstaR).

FUTURO - A eletrificação automotiva é uma resposta ao Acordo de Paris, documento da ONU chancelado por 195 países com o objetivo de conter o aquecimento global.



Foto: Copel


Até 2030, o Brasil, por exemplo, precisa reduzir em 43% as emissões de gases de efeito estufa e a mobilidade elétrica é uma das soluções propostas para alcançar a meta. Por isso, mais projetos e políticas públicas visam a eletromobilidade.


De acordo com a plataforma Connected Smart Cities, América do Norte, Europa e a Ásia concentram 90% das vendas dos carros elétricos, sendo que a China registrou 3,4 milhões de unidades comercializadas em 2021, o que a tornou número um em eletromobilidade.

Embora o Brasil ainda esteja longe desses números, a equação de preços mais baixos, incentivos e maior procura pelos veículos elétricos, aponta para um cenário promissor também no país.

No Paraná, a Copel já se prepara para o atendimento desse mercado nos próximos anos. Para a companhia, a palavra que melhor define o futuro da eletromobilidade é integração. Ao alcançar Santa Catarina com a eletrovia paranaense, a Copel deu o primeiro passo no projeto de interligar o Paraná a outros estados e países.

“Há alguns anos a Copel está investindo em projetos de mobilidade elétrica para garantir qualidade e disponibilidade nas recargas dos veículos elétricos. O tema tem ocupado uma relevância cada vez maior, e estamos trabalhando para nos tornarmos uma referência nesse segmento", destaca o presidente da Copel, Daniel Slaviero. "Os resultados obtidos contribuem para prover soluções sustentáveis e inovadoras que potencializam a integração, reduzem custos e colocam o Paraná em uma posição de destaque no cenário nacional", acrescenta.


CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE:


“Quando assumi o governo, em 2019, disse que iria transformar o Estado em hub logístico para a América do Sul. Fizemos avanços enormes, mesmo com as dificuldades impostas pela pandemia, e vamos consolidar esse projeto nos próximos quatro anos”, afirma o governador. “A integração de eletrovias entre os estados do Sul e países vizinhos já é uma realidade muito próxima”, acrescenta.


PARCERIA E INOVAÇÃO - O avanço da eletromobilidade envolve parceiros, planejamento e investimento em inovação. A primeira eletrovia, de Paranaguá a Foz do Iguaçu, é fruto de parceria da Copel com a Itaipu Binacional e foi implantada em 2018.

Já a sua extensão, que começou a funcionar no primeiro semestre de 2022, é resultado do programa de inovação aberta Copel Volt, em parceria com a startup brasileira Move. A eletromobilidade foi ampliada ao longo das estradas BR-376 e BR-101, em circuito que vai até Londrina, no Norte do Paraná, e Joinville, em Santa Catarina, interligando os dois estados.


Além de expandir o número de postos de recarga e oferecer autonomia para o motorista em outros dois trajetos, o projeto com a Move está integrando tecnologicamente todos os eletropostos em um mesmo sistema de gestão, embora sejam provenientes de fornecedores diferentes.

Todas as informações estão em uma mesma plataforma, o que permite saber quais carregadores estão disponíveis, a quantidade de energia fornecida por cada um e até as emissões de gás carbônico (CO2) evitadas ao usar energia elétrica no lugar de combustíveis fósseis.


O consumidor também ganhou a facilidade do App Eletroposto Fácil. O aplicativo é parte do Programa de Inovação Aberta Copel Volt e permite ao usuário interagir com os carregadores públicos da rede Eletroposto Fácil da Copel.

É possível, por exemplo, não só localizar os carregadores como também reservar o conector para ter segurança de que o equipamento estará esperando a sua chegada. O condutor também pode acompanhar a recarga em tempo real e visualizar históricos e indicadores.

De acordo com a Copel, em breve o consumidor usará o aplicativo também como meio de pagamento da recarga.


PUBLICIDADE: