ANTT prevê aumento de 23% em tarifa do pedágio entre Curitiba e o litoral antes da nova concessão.


Foto: Jivago França


Variação prevista atingirá o lote 2, que engloba trechos da BR-277, além de rodovias de Carambeí, Jaguariaíva e Jacarezinho.



Uma nota técnica da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) prevê o aumento de 23,3% da tarifa do novo pedágio do Paraná, que ainda não saiu do papel, no trecho da BR-277 entre Curitiba o litoral, e em rodovias de Carambeí, Jaguariaíva e Jacarezinho.

Segundo o documento, encaminhado ao Tribunal de Contas da União (TCU) em no final de maio, o aumento da tarifa atinge o lote 2 e, segundo o estudo, segue a tendência de alta já apresentada para o lote 1.

A justificativa, segundo a Agência, é o aumento nos custos das obras e da manutenção de serviços nas estradas, provocados pela inflação. O estudo indica, ainda, que o principal acréscimo foi com obras de ampliação, como duplicações, por exemplo.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE:




Novos trechos

O estudo atualiza, ainda, os trechos que terão cobertura do pedágio.

No caso da praça do litoral, entre Curitiba e Paranaguá, a ANTT incluiu mais um trecho para a concessão: 15 quilômetros entre Morretes em Antonina, na PR-408.

No lote 2, que tem o aumento de 23% previsto, 3 novas praças de pedágio estão previstas para o lote, em Sengés, Quatiguá e Jacarezinho.

Com a mudança, o total de cobertura da praça passou de 113 para 126 quilômetros, um aumento de 12%. Como o valor do pedágio também é calculado com base na quilometragem concedida a cada praça, esta mudança também impacta no preço.


Segundo a ANTT, considerando os aumentos da inflação e da quilometragem, a tarifa que iria a leilão a R$ 14,33, agora deve ter um valor de cerca de R$ 20.

Será em cima deste montante que as empresas interessadas na concessão oferecem os descontos no leilão. A expectativa é que os descontos cheguem a até 30%.


Em nota, a ANTT disse que a previsão se trata de uma "recomposição de valores por conta do tempo que passou", sendo atualização recomendada pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Fonte: G1 Paraná



PUBLICIDADE:



PUBLICIDADE: